Recentemente encontrei uma revista sobre educação com a seguinte capa: “Os professores do futuro”. A revista era de 2001 e alertava para os professores que em 2010 as salas de aula estariam repletas de tecnologia a favor do ensino e que o professor teria tantos recursos para utilizar que o processo de ensino seria bem mais facilitado. Muitas dessas tecnologias realmente já estão aí, outras nem tanto. Não vamos levar em conta, nesse caso, o que poderia ter ou não, devido à políticas públicas. Vamos abordar aqui o que temos em mãos nesse momento. Caso aquela reportagem tenha sido (o que não foi) o primeiro aviso em toda a história de que a educação estava tendo acesso a novas ferramentas para uma mudança, nós teríamos tido 17 anos para nos preparar para tal. E será que conseguimos nos apropriar dessas ferramentas?

Hoje temos aplicativos incríveis que permitem uma organização mais prática, outros voltados para uso em sala de aula onde é possível cadastrar cada aluno e editar anotações sobre eles; Temos acesso a inúmeros conteúdos de suporte como vídeos em plataformas de streaming, infinitas imagens de suporte e o que muitos professores fazem? Pegam esse material todo, compilam e transformam em texto para cópia.

O que a revista de 2001 não alertou para os professores do futuro é que de nada adianta o acesso a tecnologias cada vez mais avançadas e eficazes se as práticas em sala de aula continuam as mesmas. Para sermos os professores do futuro, primeiro, precisamos ter uma mentalidade diferente da que tínhamos no passado e ter um novo olhar sobre avaliação e processo de construção do aprendizado para só então nos apropriarmos do uso eficaz dessas ferramentas.

Se você não quer ser um professor do passado com uma ferramenta do futuro na mão, você está no lugar certo! O Be a Base foi feito pra você, professor que deseja ver a mudança acontecendo na educação!

Vamos juntos transformar o ensino!